quinta-feira, 10 de novembro de 2011

E tô achando bom, tô repetindo que bom, Deus, que sou capaz de estar vivo sem vampirizar ninguém, que bom que sou forte, que bom que suporto, que bom que sou criativo e até me divirto e descubro a gota de mel no meio do fel. Colei aquele “Eu Amo Você” no espelho. É pra mim mesmo.
(Carta a Jacqueline Cantore, Vila de Santa Teresa, 2O.O5.83)
Tenho um corpo todo tatuado de cicatrizes, marcas e amores não resolvidos.
Tô fazendo uma coleção de sobrevivência mental e corporal.


Lirian

.


Nenhum comentário:

Postar um comentário