segunda-feira, 27 de junho de 2011

Não há mais espaço para o amor;

"Pobre moço, não viu a moça.
Não o culpo, a menina tem mesmo esse dom de não se fazer visível, de não ser notada.
O olhar restrito não a deixa mostrar-se, nem ver-se.
Coleciona sensações e, não podendo vivê-las, as guarda em cantos de papel e espaços descoloridos. Dentro de si fica, calada.
E não há santo que possa tirá-la de lá.
Há um moço, mas ele não consegue vê-la.
Tristes são os olhos desse moço, incapazes de enxergar um palmo à frente dos nomes e números. Tristes são os sentimentos dessa moça que,
apesar da voz forte e sincera, perto dos olhos dele,
permanecem mudos e calidamente amedrontados."



(Cleice Souza)
 
.

Nenhum comentário:

Postar um comentário