domingo, 6 de março de 2011

The best of Rani;

Com os melhores da Rani Ghazzaoui (na minha humilde opinião).

Pra mim, é dificil aceitar e entender que eu tentei te deixar pra trás, como todo o resto, mas não consegui. É dificil olhar os fatos, comprovar as dificuldades, ter preguiça, sentir cansaço, doer, arder, ferver e, mesmo assim, não conseguir te colocar dentro de um prazo. Seu prazo de validade não venceu em cinco minutos...


Xingue, esbraveje, cuspa fogo na cara de quem não tem paciência de se redimir e nem culhões para se entregar. Porque a cada namoro que ele começa por impulso, como quem troca de cuecas, ele acaba com uma parcelinha sensível do coração de alguém. E ele sabe disso. Eles sempre sabem de tudo, mas fazem porque o pinto manda. O pinto deles é sempre de ouro.


E olhando em volta de mim eu tenho que dizer que não poderia ser melhor. De todos os perrengues, de todas as lutas -- internas e externas --, de todos os corações partidos e vontades agudas depositadas em caixinhas com fita de cetim; eu acabei por sair ilesa. Acabei me tornando alguém muito mais cética, mas ao mesmo tempo mais pé no chão e bem mais madura.


Aos vinte a madrugada já perdeu um pouco a graça e começou a dar uma vontadezinha besta de aproveitar mais o dia. Aos vinte a criança foi embora e veio chegando um sentimento meio tia. Aos vinte se festa, se estuda, se trabalha -- tudo isso sem tanta disposição e inocência, mas com muito mais glamour. Eu que fui uma criança prodígio em muitos aspectos fico muito feliz de saber que cheguei aos vinte sendo, em muitos momentos, uma adulta bem infantil.




Nenhum comentário:

Postar um comentário