segunda-feira, 31 de maio de 2010

Para eu mesma;

Acho que há um momento em que tudo cansa.
Dessa vez não me refiro ao cansaço físico ou mental.
Se trata de um cansaço espiritual, emocional, que dá de tanto a gente amar errado.
 (Se é que amar foi errado alguma vez na vida).
Eu sei disso, mania que a gente tem de maltratar a nossa alma, enche-lá desse egoísmo ou desse amor pedinte.
Cansaço de pessoas que se vão, de pessoas que brincam com os sentimentos mais sinceros.
Cansaço de quem usa, de quem joga, de quem humilha, de quem desilude tudo que é bom.
Cansaço de gente feia por dentro, porque eu acho que é assim... quanto mais linda por fora mais feia por dentro.
Cansaço dessas pessoas que fizeram do amor um circo de horrores.
Acho que de tanto pensar e amar assim, desse meu jeito mulher, escritora, menina e sonhadora
eu deixo morrer essas pessoas, que é pra não sofrer pela morte do amor. Essa sim é uma dor irreparável.
Que Deus me tire essas pessoas, mas nunca a capacidade de amar. Independente do idiota que eu ame naquele mês.
Deus me entende, não me fez especial à toa.
Não quero embrutecer a coisa mais linda que fui capaz de sentir, por cansaço emocional algum.
Paz, serenidade e um copo de refrigerante, é tudo que eu preciso pra não embrutecer.
Não lutei pela minha sobrevivência pra desistir de amar agora.


Lih Galinari

.


Nenhum comentário:

Postar um comentário