quinta-feira, 8 de abril de 2010

Foi;


"Eu me larguei nessas imensas curvas do cotidiano, me deixei levar.
Olhei as crianças brincando, os pais sorrindo, o parquinho e o pula-pula da praça municipal e nem assim você foi embora. Você não vai embora, tá aí o meu problema.
Sentir dor no peito, falta de ar, náusea. Que são dores porque eu te amo e você jura que isso é só TPM.
Sentir essa falta desgraçada do seu sorriso, daquela piada no cinema ou sobre a vida dos outros.
Sentir essa puta vontade de largar tudo, de tirar férias com você e só com você, ir para Bali, Santorini ou a Chapada dos Veadeiros, qualquer lugar onde eu possa me abrigar na tua paz.
Você fica longe de mim agora, longe do meu abraço exagerado e dos meus dedos que desenham a curva do teu queixo quando você está próximo. Isso me enche de vontade de te dar uns bons tapas pra você parar de ignorar o meu amor.
Aí essa vontade passa e eu sinto uma vontade muito maior (você reparou que se tirarmos o “i” e manipularmos as letras “maior” vira “amor?) de estar com você.
O problema é desejar agora que essa vontade passe, mas que passe lentamente, pois até a dor que me provoca é algo bom."

Lirian Galinari

.









Nenhum comentário:

Postar um comentário