quarta-feira, 30 de dezembro de 2009

Menos um;

É, lá se vai mais um ano. E se inicia o novo ciclo.
Não tenho muito (apesar de sempre ter) do que me queixar, 2009 foi um ano cheio de surpresas,
fatos bons, fatos ruins, fatos muito bons, fatos muito ruins, novas lembranças, reviravoltas antigas...
Objetivos, metas, traçados, planos.
Uns até que deram certo, outros nem tanto, mas nem por isso deixaram de trazer alegria.
Com um novo ano que nasça novos desejos,
quero mais conversas com o Andrey;
quero mais filmes com o João Lucas;
quero mais risadas com o Jhiones;
quero mais implicância com a Thamirys;
quero mais palavrões com a Lethícia;
quero mais pôr-do-sol com o Nino;
quero mais sorvete com o Lucas;
quero mais brincadeiras com a Mari;
quero mais abraços com a Luh;
quero mais confissões com a Dany;
quero mais carinho com a Memê;
quero mais Céu Amora nas noites vazias e de alegria solitária;
quero mais sorte, saúde, alegria e paz (e desejo o mesmo a você).


E que 2010 conserve os melhores de 2009 e já começe com lembranças memoráveis!









Feche a porta, mude o disco, limpe a casa, sacuda a poeira. Deixe de ser quem era, e se transforme em quem é. Torna-te uma pessoa melhor e assegura-te de que sabes bem quem és tu próprio, antes de conheceres alguém e de esperares que ele veja quem tu és...

E lembra-te:
Tudo o que chega, chega sempre por alguma razão

(Fernando Pessoa)


.

domingo, 27 de dezembro de 2009

Look up;


Serena van der Woodsen e Aaron Rose se beijando em plena Times Square, ao som de Sex on Fire.
Poucas cenas de amor foram tão chocantes


.

p.siu: Were the words to transpire

.

sexta-feira, 25 de dezembro de 2009

Sofia e a Morte;



Sofia adentrou o quarto, os olhos vermelhos por tanto chorar.
Trancou a porta sem esforço ou barulho, caminhou até o criado-mudo de madeira e tirou o revólver da gaveta.
- Um tiro na boca e estará tudo acabado.
Mas estava tudo acabado antes mesmo do tiro.
A dor era insuportável, estridente, sufocante.
A morte seria sua única companhia.
Haveria uma carta escrita com sua caligrafia um tanto infantil para a idade.
Nela, pediria desculpa aos pais, perdoaria inimigos e amigos também, e deixaria todos os motivos do seu ato de misericórdia para consigo.
- Sofia, não faça isso - A Morte lhe aconselhou, sentando-se ao lado dela na beirada da cama.
Sofia se espantou com a beleza e paciência estampadas no rosto da Morte.
- Você... Não... Enten..- Ela não podia terminar a frase, a mão tremia pelo peso da arma e de sua angústia.
Enquanto Sofia olhava para baixo, entre seus pés e seus punhos, a Morte colocou a mão fria em seu rosto, fazendo com que seus olhos cruzassem os da menina.
- Olhe, eu sei que você está confusa, sei que tudo está sendo doloroso, mas acredite em mim, eu não quero levá-la.
A Morte a fitava com olhos azul cor-de-céu.
- Enquanto se vive você sempre terá outra chance, outra escolha. Enquanto o ar invade seus pulmões e o sangue corre quente pela suas veias você sorri, você chora, você sofre, você continua. Mas quando se morre não se sente nada, absolutamente nada. E não há vantagem nenhuma nisso. Por mais que seja difícil, siga. Caía, levante, mantenha-se. Eu juro, se você não suportar nós nos encontraremos novamente e eu levarei sua alma em meu colo, com todo o zelo de uma criança que cuida de seu brinquedo favorito – a Morte afagou os cabelos da menina.
Sofia pensou, limpando as gotas que caíam de seus olhos, em seguida assentiu com a cabeça.
Enquanto a menina se levantava, a Morte lhe disse: - E lembre-se Sofia, paciência com a dor, ela vai ir embora quando você a libertar.
A menina pôs a mão no coração para estancar a ferida aberta pela antiga solidão.
Guardou a arma, destrancou a porta e se adiantou a caminhar, deixando a Morte à fita-lá com orgulho.



Parte;



Encosto a bochecha no vidro, quero sentir o frio se espalhar pelo corpo, anestesiar a dor de ser quem sou, de não dominar isso, essa coisa selvagem, surreal.
E dou graças, ah, como dou graças por você estar aqui, pela sua presença inundar tudo a minha volta...
Os porta-retratos, os livros jogados na cama, o cesto de roupa suja, o batom rosa - bebê que toca os meus lábios.
Você faz parte.
Todas as lembranças espalhadas e bagunçadas meticulosamente pelo quarto, mas antes fosse só aqui.
Se assim fosse eu trancaria a porta, dormiria na sala, desocuparia os armários.
Mas o que aconteceu está no meu corpo, na minha alma, no meu coração e pulmões.
E é por isso que eu continuo.
Você existe, eu existo.
Obriguei-me a seguir e aceitar essa nova lei.
Ela me ajuda a manter um pouco de sanidade para trilhar o caminho.

L.


quarta-feira, 23 de dezembro de 2009

Querido Papai Noel;


Todo ano é a mesma coisa. Família reunida, beijo em parente que você não vê a séculos (ou nunca viu mesmo), todo mundo se ama, aquela falsidade...mas cadê os presentes?
Não que eu seja consumista, longe de mim! Mas ó, eu mereço, poxa! Já desisti dos meus pais, então tenho que apelar pra você...
Sério, fui uma menina tão boazinha :)
Tirei notas boas, não briguei com os meus pais, não maltratei os animais (tá vendo Lucas, eu falo de você no blog!), fui legal com gente babaca e quase não falei mal de ninguém. Acho que mereço um presente!
Não precisa ser nada muito grande ou muito caro, um carro, uma mansão, um tanque de guerra, o Chuck Bass (haha)... Até o novo livro da Cecily von Ziegesar, da série IT GIRL, eu tô aceitando (já que não consegui fazer o download pela internet mesmo).
Pensa bem, eu podia estar matando, eu podia estar roubando, eu podia estar me prostituindo ou ser corintiana, mas não... NÃO!
Tô aqui numa boa, fazendo esse singelo pedido.
Te espero a meia-noite pra pegar os presentes, já que aqui em casa não tem chaminé.

Atenciosamente,
Lirian :)

terça-feira, 22 de dezembro de 2009

Para Davi e Catharina;




Desejamos a vocês amor, sorrisos, brincadeiras e picolés de fruta;
Desejamos a vocês os primeiros passos, o primeiro choro, o primeiro amor,
Desejamos a vocês um bom futuro, uma tarde de sol preguiçosa, uma noite cansativa de estudo,
Desejamos a vocês bolo de chocolate, sonhos, força e coragem;
Desejamos a vocês amor ao próximo, compaixão, dignidade e humildade;
Desejamos a vocês o carinho, a luz no sorriso de primeiros dentes; a dor da picada da primeira vacina;
Desejamos a vocês o melhor abraço de “boa sorte”, o consolo na decepção e a correção na hora exata;
Desejamos tombos, farpas, dor e lágrimas, pra que provem sua própria garra e gana;
Desejamos, por fim, somente o bem, a fé, a espiritualidade, a vontade e a certeza de que estaremos aqui (haja o que houver).


.

p.siu: fortalecendo os nossos laços;


Littlest Things;




Sometimes I find myself sittin' back and reminiscing
Especially when I have to watch other people kissin'
And I remember when you started callin' me your miss's
All the play fightin', all the flirtatious disses
I'd tell you sad stories about my childhood
I don't know why I trusted you but I knew that I could
We'd spend the whole weekend lying in our own dirt
I was just so happy in your boxers and your t-shirt

(Lily Allen)


p.siu: dreams, dreams

.

sábado, 19 de dezembro de 2009

Presente;


 "E agora eu estou feliz.
Não uma felicidade boba, ocasional.
Mas uma felicidade árdua, batalhada, conquistada.
Felicidade por inteiro"


.

sexta-feira, 18 de dezembro de 2009

Uma troca qualquer:

"Me dê um bom motivo
e eu...
lhe dou a minha alma"

.



É pra se mostrar;


"Sou ariano. E ariano não pede licença, entra, arromba a porta. Nunca tive medo de me mostrar. Você pode ficar escondido em casa, protegido pelas paredes. Mas você tá vivo, e essa vida é pra se mostrar. Esse é o meu espetáculo. Só quem se mostra se encontra. Por mais que se perca no caminho."

(Agenor de Miranda Araújo Neto - Cazuza!)

.

p.siu: foi gritando que eu aprendi a cantar: sem nenhum pudor, sem pecado.
 Canto pra espantar os demônios, pra juntar os amigos


.

quinta-feira, 17 de dezembro de 2009

No recreio :)




Quer saber quando te olhei na piscina
se apoiando com as mãos na borda
fervendo a água que não era tão fria
e um azulejo se partiu
porque a porta do nosso amor estava se abrindo
e os pés que irão por esse caminho
vão terminar no altar

Eu só queria me casar
com alguém igual a você
E alguém igual não há de ter
então quero mudar de lugar
eu quero estar no lugar
da sala pra te receber
na cor do esmalte que você vai escolher
só para as unhas pintar
quando é que você vai sacar
que o vão que fazem suas mãos
é só porque você não está comigo?

 p.siu: só é possível te amar...

(Nando Reis)

segunda-feira, 14 de dezembro de 2009

(Re)Conhecimento


"Me acabo no teu sossego;
no teu sussurro.
E me reconheço melhor."




P.siu: Desculpa, digo, mas se eu não tocar você agora vou perder toda a naturalidade,
não conseguirei dizer mais nada,
não tenho culpa,
estou apenas me sentindo sem controle,
não me entenda mal,
não me entenda bem,
é só esta vontade quase simples
de estender o braço para tocar você...

(C.F.A)

domingo, 13 de dezembro de 2009

Homer Simpson!


É o que você esta pensando
eu também não resisto a esse ser amarelo, careca e gordinho
por isso, um top five das frases de Homer Simpson:

1º - "Eu não estava mentindo! Estava escrevendo ficção com a boca.”

2º - “Existem três frases curtas que levarão sua vida adiante: ‘Não diga que fui eu!’, ‘Oh, boa idéia chefe!’ e ‘Já estava assim quando cheguei.”

3º - “Por favor, não me coma! Eu tenho mulher e filhos. Coma eles!”

4º - “Não vamos entrar em pânico. Vou conseguir dinheiro vendendo um de meus fígados. Posso viver com um só”

5º - “Bem, ele pode ter todo o dinheiro do mundo, mas tem uma coisa que ele não pode comprar… Um dinossauro!”

p.siu: esse blog faz apologia a coisas inúteis.
p.siu 2: como era "top five" essa não entrou, mas merece ir também:
“A culpa é minha e eu coloco ela em quem eu quiser!”

.

Não;


Chove forte lá fora;
trovões aqui dentro;
rugindo num peito;
sem abrigo.

Afora isso;
vou ficando bem;
ás vezes melhor que antes;
ou não;
mas...
mas...
mas...

alguém realmente se importa?


Hum...
a resposta é não

.


L.


p.siu: é mágoa.

Egolatria;


Ainda tenho os mesmo olhos de jabuticaba que se sobressaem as curvas das minhas sobrancelhas castanhas. Ainda tenho as marcas de catapora de quando tinha dois anos e possuía o rosto de uma boneca de porcelana, ainda possuo o mesmo sorriso, com dentes retos e sobressalentes, na minha boca eternamente desenhada com contornos precisos e finos, que quando me transfiguro em mulher parece algo sedutor, mas que sempre identifico, sem máscara ou maquiagem, o mesmo sorriso infantil e tímido
perdido no meu rosto de lua cheia, de bochechas rosadas, que agora ganharam um toque de juventude através de suas marcas de espinhas e cicatrizes de travessura de uma adolescente qualquer.
Ainda vejo um narizinho arrebitado, em comprimento com uma mecha castanha da minha franja sempre por cortar que arqueia sobre os meus olhos me dando uma aparência leonina...
 Mas ainda vejo a criança que lutava contra a franja lisa nos olhos na hora das brincadeiras.
Ainda vejo, ao dormir, através de uma camisola gasta e de estimação que fica na altura do contorno das minhas coxas, uma menina que cresceu em suas roupas de criança que encurtaram com o tempo.
Vejo cada mancha, cada cicatriz, que se espalha pelo meu corpo e que sussurra uma história ao meu ouvido, não só as próprias marcas no corpo, mas também as marcas da alma, do coração.
Dessa menina que fui ou sou e da mulher que essa mesma menina planejou ser.
 Encontro ainda um meio termo inquietante.

p.siu: crescer nunca foi tão prazeroso
p.siu 2: sei, foi ambíguo, mas assim é mais divertido


.



sexta-feira, 11 de dezembro de 2009

Felicidade Clandestina =]

Chegando em casa, não comecei a ler. Fingia que não o tinha, só para depois ter o susto de o ter. Horas depois abri-o, li algumas linhas maravilhosas, fechei-o de novo, fui passear pela casa, adiei ainda mais indo comer pão com manteiga, fingi que não sabia onde guardara o livro, achava-o, abria-o por alguns instantes. Criava as mais falsas dificuldades para aquela coisa clandestina que era a felicidade. A felicidade sempre iria ser clandestina para mim. Parece que eu já pressentia. Como demorei! Eu vivia no ar… Havia orgulho e pudor em mim. Eu era uma rainha delicada.

Às vezes sentava-me na rede, balançando-me com o livro aberto no colo, sem tocá-lo, em êxtase puríssimo.

Não era mais uma menina com um livro: era uma mulher com o seu amante.

(Clarice Lispector)

.



p.siu: a felicidade está nas páginas gastas de um romance ruim

.


quinta-feira, 10 de dezembro de 2009

Votos de submissão




Caso você queira posso passar seu terno,
aquele que você não usa por estar amarrotado.
Costuro as suas meias para o longo inverno...
Use capa de chuva, não quero ter você molhado.
Se de noite fizer aquele tão esperado frio
poderei cobrir-lhe com o meu corpo inteiro.
E verás como a minha pele de algodão macio,
agora quente, será fresca quando for janeiro.

Nos meses de outono eu varro sua varanda,
para deitarmos debaixo de todos os planetas.
O meu cheiro te acolherá com toques de lavanda
- Em mim há outras mulheres e algumas ninfetas
-Depois plantarei para ti margaridas da primavera
e aí no meu corpo somente você e leves vestidos,
para serem tirados pelo seu total desejo de quimera.
- Os meus desejos, irei ver nos seus olhos refletidos.

- Mas quando for a hora de me calar e ir embora
sei que, sofrendo, deixarei você longe de mim.
Não me envergonharia de pedir ao seu amor esmola,
mas não quero que o meu verão resseque o seu jardim.

(Nem vou deixar – mesmo querendo – nenhuma fotografia.
Só o frio, os planetas, as ninfetas e toda minha poesia.)




(Fernanda Young)

.

p.siu: e não ouvirás mais o bater de minhas
asas

.

O que me interessa




Às vezes é um instante
A tarde faz silêncio
O vento sopra a meu favor
Às vezes eu pressinto e é como uma saudade
De um tempo que ainda não passou
Me traz o seu sossego
Atrasa o meu relógio
Acalma a minha pressa
Me dá sua palavra
Sussurra em meu ouvido
Só o que me interessa

(Lenine)

.

A menina que roubou meu coração

Na minha pequena lista de "The Best" do ano ela não poderia faltar.
A menina que roubava livros concretizou-se como uma leitura emocionante, viciante, apaixonante.
Liesel, Rudy e companhia, apresentados por Markus Zusak, foram personagens bordados num manto cinza, branco e vermelho da Alemanha nazista.
Mas não é aí que mora o interesse maior...a própria morte conta a história da intrigante Liesel.

Se a morte se deixou levar por essa história...bem, imagine você.

P.siu: um trecho pra matar a saudade:
 Por hora, Rudy e Liesel caminhavam para a Rua Himmel embaixo de chuva. Ele era o maluco que se pintara de preto e derretora o mundo inteiro. Ela era a roubada de livros que não tinha palavras. Mas, acredite, as palavras estavam a caminho e, quando chegassem, Liesel as seguraria nas mãos feito nuvens, e as torceria feito chuva.

(A menina que roubava livros)

.

terça-feira, 8 de dezembro de 2009

Bobeira é não viver a realidade



Eu só peço a Deus
um pouco de malandragem
pois sou criança
e
não conheço a verdade
eu sou poeta
e não aprendi a amar

(Cássia Eller)

.

p.siu: egolatria sentimental, obrigada manés.

MêMê"



Em síntese, é esse animal de teta acima.
Na íntegra, é uma das minhas maiores paixões.
Essa mireira, canhota, torta e alucinada cruzou o meu caminho no primeiro dia de aula
no falecido Concórdia (hoje Ulbra), na aula de matemática
(do carrasco Werneck), o tipinho hipongo tava usando um brinco gigantesco e esse cabelo loiro esquisito balançando de um lado pro outro.
Quer saber como a química rolou?
(eu sei que não, mas vou escrever do mesmo jeito)
Ela contou uma piada que eu não entendi, mas dei risada.
O resto da história, nossa história, não daria pra contar nem em todas as páginas desse blog.
Assim como não daria pra contar aqui, nem se eu me esforçasse até a morte
o tamanho do amor que eu tenho por ela.
É amor demais da conta!!!


Só ela sabe ser ela
essa ariana torta e tonta
pela qual eu sou completamente e assustadoramente apaixonada
(na foto, Badú, nosso filho halogenado)

Mêmê, sodade.

Da sua porquinha-vaca-galinha-irmã
Riria!
(aaaaaaaaaa Riiiiiiiiiiriiiiiiiiiiia!)


p.siu:
Memê diz: Riria, se for todo mundo pra república, eu quero ficar no teu quarto...
Lih diz: Porquê, Mê?
Memê diz: Só pra ver Polinha e Carol se matando no outro quarto, quero é ver o circo pegar fogo...
(risos)

p.siu 2: Me fez chorar muitas vezes assistindo o dvd dos Paralamas,
me fez rir várias vezes dizendo: "Uai, Riria!",
e me mata de saudades todos os dias,
desculpa lora, sodade, né...

Pra dizer adeus



Você nunca me viu
sozinho
E você nunca me ouviu
chorar
Não dá pra imaginar
quanto

(Titãs)

.

p.siu: eu já tentei, eu quis, não pra imaginar...

domingo, 6 de dezembro de 2009

Uma típica despedida"




As luzes da rua passam pela janela do carro
eles estão de mãos dadas. Ela chora.
João e Maria toca no rádio

Agora eu era o herói
E o meu cavalo só falava inglês
A noiva do cowboy
Era você além das outras três
Eu enfrentava os batalhões
Os alemães e seus canhões
Guardava o meu bodoque
E ensaiava o rock para as matinês

- Não chora, princesa.

Uma mão no volante, outra nos cabelos dela.
Ela limpa o rosto, olhando para a escuridão fora dela.

Agora eu era o rei
Era o bedel e era também juiz
E pela minha lei
A gente era obrigado a ser feliz
E você era a princesa que eu fiz coroar
E era tão linda de se admirar
Que andava nua pelo meu país

Ela se inclina para o peito dele, seu choro molha a camiseta.

Não, não fuja não
Finja que agora eu era o seu brinquedo
Eu era o seu pião
O seu bicho preferido
Vem, me dê a mão
A gente agora já não tinha medo
No tempo da maldade acho que a gente nem tinha nascido

Ele começa a cantarolar a música pra ela. Um chorinho a mais.

Agora era fatal
Que o faz-de-conta terminasse assim
Pra lá deste quintal
Era uma noite que não tem mais fim
Pois você sumiu no mundo sem me avisar
E agora eu era um louco a perguntar
O que é que a vida vai fazer de mim?

Ele a beija na testa e diz : - Eu te amo.
Ela olha seu meio sorriso refletido na vidro e responde: - Eu também.


P.siu:  o amor não sabe dizer "tchau"

.


-




"Difícil é conter os impulsos,
não cortar os pulsos,
não gritar de dor,
não se perder de amor.

É horrível não brincar todo dia,
não dançar de alegria,
não duvidar da verdade,
não sentir saudade."

(Lih :)


.

P.siu: uma necessidade sufocante

.

É proibido




É proibido chorar sem aprender,
Levantar-se um dia sem saber o que fazer
Ter medo de suas lembranças.

É proibido não rir dos problemas
Não lutar pelo que se quer,
Abandonar tudo por medo,

Não transformar sonhos em realidade.
É proibido não demonstrar amor
Fazer com que alguém pague por tuas dúvidas e mau-humor.
É proibido deixar os amigos

Não tentar compreender o que viveram juntos
Chamá-los somente quando necessita deles.
É proibido não ser você mesmo diante das pessoas,
Fingir que elas não te importam,

Ser gentil só para que se lembrem de você,
Esquecer aqueles que gostam de você.
É proibido não fazer as coisas por si mesmo,
Não crer em Deus e fazer seu destino,

Ter medo da vida e de seus compromissos,
Não viver cada dia como se fosse um último suspiro.
É proibido sentir saudades de alguém sem se alegrar,

Esquecer seus olhos, seu sorriso, só porque seus caminhos se
desencontraram,
Esquecer seu passado e pagá-lo com seu presente.
É proibido não tentar compreender as pessoas,
Pensar que as vidas deles valem mais que a sua,

Não saber que cada um tem seu caminho e sua sorte.
É proibido não criar sua história,
Deixar de dar graças a Deus por sua vida,

Não ter um momento para quem necessita de você,
Não compreender que o que a vida te dá, também te tira.
É proibido não buscar a felicidade,

Não viver sua vida com uma atitude positiva,
Não pensar que podemos ser melhores,
Não sentir que sem você este mundo não seria igual

(Pablo Neruda)

.

O talento de ser...Lirian (oh, oh, oh..quem?)


Quando eu nasci, um anjo torto (e meio burro)
desses que vivem na sombra disse:
Vai, Lirian! Ser gauche na vida.

.

p.siu: Drummond, eu te entendo!

.

Inacreditível! :O

Ok, outra noite de sábado. Outra noite de msn com o Jhiones.
(Yeah! Fracasso é quase uma placa na testa!).

Lirian e Jhiones mantém uma conversa muito instrutiva, educativa e interessantíssima:

Lirian diz: "Cara, tu viu o último vídeo da Lady Gaga, no VMA?"
Jhiones diz: "Manda".

Minutos depois... (tempo!!!!olha!!!)

Jhiones diz: "Nossa, é a diva mais ousada****** (haja asterisco Senhor!) que eu já vi
frise o ousada, não achei palavra melhor..."

Lirian diz: "Inacreditível (Inacreditável + Incrível)"

HA HA HA!

Inventei uma palavra (ou não).
Só pra registrar algo desse sábado: inacreditível!

.

p.siu: Lirian diz: "Postei essa merda de conversa no blog."
Jhiones diz: "Mentiiiiiira!"

.

sábado, 5 de dezembro de 2009

"Solitas, solitatis..."



Saudade é um pássaro
Que segue seu caminho
De volta ao ninho
Que nunca deixou

.


p.siu: mas resta um pouco mais
navios colossais
que nunca deixaram o cais

-

(Skank)

quinta-feira, 3 de dezembro de 2009

Ela faz tudo ser luz do sol e alegria :)




Ela capital, eu, interior.
Ela insônia, eu, hibernação.
Ela engenharia, eu, direito.
Ela vestido, eu, shortinho.
Ela bochecha, eu, olhos.
Ela sapatilha, eu, salto alto.
Ela manhã, eu, noite.
Ela risadas, eu, cócegas.
Ela beijo, eu, abraço.
Ela música, eu, livro.
Ela brigadeiro, eu, também.
Ela me colore, eu, cinza.
O amor é uma oposta perfeição.


p.siu: foi Deus gentil comigo mandando você pra mim, te amo Luh :)

.

quarta-feira, 2 de dezembro de 2009

Destin

Não me leve por caminhos sem pecados,
por pegadas de anjo
não me perca por ser tanto
por ser farto
diante das minhas tormentas eu o prefiro em desabrigo
meu mar é pélago, minha alma, seu reflexo
abismos e céus nos aguardam
onde finalmente esqueceremos qualquer horizonte
eu lhe dou meu corpo,o sal da lágrima mais antiga,o beijo mais doce, o mel
de tudo provará, destemido
não se iluda, porém

mesmo tanto, mesmo farto, nunca será meu rei.

p.siu: On me dit que le temps qui glisse est un salaud
      Que de nos chagrins il s'en fait des manteaux

.

Recomeçar...sempre!

Vai doer;
você vai chorar;
aquela música que te recorda bons momentos vai tocar;
você vai sentir saudade, muita saudade;
a ferida no seu peito vai latejar, dias a fio;
você vai desejar morrer, você vai desejar que os outros morram;
ai a tempestade passa;
você limpa as botas
e começa a caminhar.
Afinal, é pra isso que se está aqui, pra recomeçar.


p.siu: cuide de tudo que for verdadeiro, deixe tudo o que não for passar

.

Um mundo;
um som;
um rabisco;
um p.siu.
Eis que ai mora o amor :)


Não sei
se o mundo
é bão
mas ele ficou
melhor
quando você chegou
e
perguntou:
Tem lugar pra mim?


(Nando Reis)
 
.

terça-feira, 1 de dezembro de 2009

Tentação


Ela estava com soluço. E como se não bastasse a claridade das duas horas, ela era ruiva.Na rua vazia as pedras vibravam de calor - a cabeça da menina flamejava. Sentada nos degraus de sua casa, ela suportava. Ninguém na rua, só uma pessoa esperando inutilmente no ponto do bonde. E como se não bastasse seu olhar submisso e paciente, o soluço a interrompia de momento a momento, abalando o queixo que se apoiava conformado na mão. Que fazer de uma menina ruiva com soluço? Olhamo-nos sem palavras, desalento contra desalento. Na rua deserta nenhum sinal de bonde. Numa terra de morenos, ser ruivo era uma revolta involuntária. Que importava se num dia futuro sua marca ia fazê-la erguer insolente uma cabeça de mulher? Por enquanto ela estava sentada num degrau faiscante da porta, às duas horas. O que a salvava era uma bolsa velha de senhora, com alça partida. Segurava-a com um amor conjugal já habituado, apertando-a contra os joelhos.

Foi quando se aproximou a sua outra metade neste mundo, um irmão em Grajaú. A possibilidade de comunicação surgiu no ângulo quente da esquina acompanhando uma senhora, e encarnada na figura de um cão. Era um basset lindo e miserável, doce sob a sua fatalidade. Era um basset ruivo.
Lá vinha ele trotando, à frente da sua dona, arrastando o seu comprimento. Desprevenido, acostumado, cachorro.
A menina abriu os olhos pasmados. Suavemente avisado, o cachorro estacou diante dela. Sua língua vibrava. Ambos se olhavam.
Entre tantos seres que estão prontos para se tornarem donos de outro ser, lá estava a menina que viera ao mundo para ter aquele cachorro. Ele fremia suavemente, sem latir. Ela olhava-o sob os cabelos, fascinada, séria. Quanto tempo se passava? Um grande soluço sacudiu-a desafinado. Ele nem sequer tremeu. Também ela passou por cima do soluço e continuou a fitá-lo.
Os pêlos de ambos eram curtos, vermelhos.
Que foi que se disseram? Não se sabe. Sabe-se apenas que se comunicaram rapidamente, pois não havia tempo. Sabe-se também que sem falar eles se pediam. Pediam-se, com urgência, com encabulamento, surpreendidos.
No meio de tanta vaga impossibilidade e de tanto sol, ali estava a solução para a criança vermelha. E no meio de tantas ruas a serem trotadas, de tantos cães maiores, de tantos esgotos secos - lá estava uma menina, como se fora carne de sua ruiva carne. Eles se fitavam profundos, entregues, ausentes do Grajaú. Mais um instante e o suspenso sonho se quebraria, cedendo talvez à gravidade com que se pediam.Mas
ambos eram comprometidos.
Ela com sua infância impossível, o centro da inocência que só se abriria quando ela fosse uma mulher. Ele, com sua natureza aprisionada.
A dona esperava impaciente sob o guarda-sol. O basset ruivo afinal despregou-se da menina e saiu sonâmbulo. Ela ficou espantada, com o acontecimento nas mãos, numa mudez que nem pai nem mãe compreenderiam. Acompanhou-o com olhos pretos que mal acreditavam, debruçada sobre a bolsa e os joelhos, até vê-lo dobrar a outra esquina. Mas ele foi mais forte que ela. Nem uma só vez olhou para trás.

(Clarice Lispector)

.

p.siu: a dona desse blog é uma apaixonada por Clarice e suas epifanias :)


Moleque, vem cá :}


Fruto gostoso, desejado
Lua, vizinho, cuidado,
Cercadura, arame rela
Rosto, rosa, luz, janela
Siu, assovio, voz rouca,
Beijo estalado na boca
Depois a corrida abraçado
No peito o gosto de um amor roubado
Que é só pra provar
(Gonzaguinha)

.

Féééééé(fôlego)éééééérias!

Rá, rá, rá... tá, nem sei se tô completamente de férias mas o dia que eu ficar...ah! Ah! Ah!
Vou gritar tanto, mas tanto que vou ficar rouca por um mês;
vou queimar todos os meus livros e apostilas;
vou beber 10 litros de cerveja;
vou dormir tarde e acordar tarde, ou nem dormir;
aliás, vou dormir tanto, maaaaaaaaaaas tanto, até de cabeça pra baixo :);
vou aprender a tocar bateria, piano, guitarra, bandolin, sax e aprender inglês, mandarin e francês;
vou postar um texto mentiroso desse no blog...


... mas isso só vai acontecer quando eu estiver de férias!



p.siu: aceito mais sugestões de férias, já que nenhuma dessas vai acontecer.